ࡱ> KMJ5@Kbjbj224RXXCvvvvvvvRRRR ^ [ vvvvvvvv$ Rc b vvvvvv vvvv vjvvvvv(vvvj &zRv+ 0[  V" vvvv vvvvvvvv nx nANLISE DA INFLUNCIA DA FORA RPIDA E EXPLOSIVA NA VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO NO BASQUETEBOL DURANTE UM MACROCICLO DE PREPARAO Alexandre Moreira1, Marcel de Souza2, Paulo Roberto de Oliveira3 1Unicamp-SP / M&V - Centro de Preparao Individualizada,, 3Universidade Estadual de Campinas - Unicamp - SP mv-cpfi@originet.com.br Artigo publicado nos anais 2o Congresso Cientfico Latino-Americano da FIEP-UNIMEP, Piracicaba, 2002. RESUMO: A velocidade de deslocamento determinante para o xito desportivo e, por conseqncia, para a avaliao da eficcia do processo de treinamento. A partir desta concepo, buscou-se identificar a influncia de distintos fatores na velocidade de deslocamento do basquetebolista, atravs da correlao de testes de controle de velocidade, fora rpida e fora explosiva ao longo de um macrociclo de preparao de uma equipe semifinalista da diviso principal (A1) do campeonato paulista masculino de 1997, submetida ao sistema de treinamento em bloco proposto por Verkhoshansky (1990). As coletas foram realizadas no incio da preparao (T1), ao final do bloco de cargas concentradas de fora (T2) e ao final da etapa de competio (T3). Foram avaliados 07 atletas com idade variando entre 19 e 35 anos, mdia de 26,4 anos, com altura entre 186cm e 214cm, mdia de 194cm, e peso entre 83kg e 116kg, mdia de 92,28kg. Os testes de controle utilizados foram: Corrida de 30m (C30), salto horizontal saindo parado (SHP) e salto triplo na mesma perna saindo parado (STP). Para a anlise estatstica descritiva dos dados, foram empregados o valor mximo (Q4) e mnimo (Q0), bem como o quartil 1 (Q1), 2 (Q2) e 3 (Q3), para todos os testes de controle nos diferentes momentos de coleta. A magnitude de correlao entre os testes de controle C30 e SHP, foi de 0.92, 0.85 e 0.90, em T1,T2 e T3 respectivamente (p<0,01; p<0,01 e p<0,05). Entre C30 e STP, de 0.84, 0.79 e 0.74 (p<0,05; p<0,05; p<0,053). O teste T para medidas dependentes entre T1 e T3 demonstrou um incremento estatisticamente significativo da velocidade de deslocamento ao longo da preparao (p<0,05), ndice principal de avaliao da eficcia do processo de treinamento. Palavras chaves: velocidade de deslocamento, fora rpida, fora explosiva basquetebol, macrociclo. INTRODUO: O conhecimento relativo aos fatores intervenientes no rendimento do basquetebolista, deve ser alvo de constante investigao e discusso, principalmente, por se tratar de um desporto coletivo altamente dinmico e de constante evoluo tcnica, ttica e, conseqentemente, fsica. Desta forma, deve-se abordar a problemtica do conjunto de fatores que determina e assegura o constante aumento da capacidade especfica de trabalho do basquetebolista nos dias atuais. O Brasil carece de normativas e de publicaes que contribuam de forma significativa com a organizao de um processo de preparao especial e, por conseguinte, de concepes metodolgicas que possam servir de modelo para o treinamento do basquetebolista brasileiro. Por outro lado, no desporto nacional, mais especificamente no basquetebol, profissionais atuantes e interessados vm contribuindo gradativamente para a formao de normativas e oferecendo subsdios para a construo de modelos de treinamento, a partir de coletas de dados e publicaes relevantes no que diz respeito ao treinamento e a preparao de basquetebolistas nacionais. Esta realidade vem norteando o processo sistemtico de coleta de dados e de anlise dos diversos fatores e solicitaes da competio e do treinamento dos basquetebolistas brasileiros. As questes sobre o perfil metablico, distribuio do contedo de treino e de competio, e dos fatores determinantes do xito desportivo, tm sido alvo de discusses exaustivas, ainda que, evidentemente, no se possua material suficiente que demonstre e elucide determinadas situaes e afirmaes. Com relao temtica principal deste estudo, procurou-se identificar para este grupo testado, os fatores intervenientes na possvel alterao da dinmica dos ndices de velocidade de deslocamento ao longo de um macrociclo de preparao, estruturado a partir do sistema de treinamento em bloco proposto por Verkhoshansky (1990) O autor afirma, que a caracterstica final do efeito de um movimento desportivo reflete o resultado total das expresses funcionais dos sistemas do organismo, e que esta caracterstica vem a ser determinada pela rapidez de execuo e/ou pela velocidade de deslocamento de um atleta no espao. Contrape-se desta maneira, s idias tradicionais onde as formas motoras (fora, resistncia, velocidade), se transformam em um conjunto de qualidades fsicas prprias do homem, como se possussem mecanismos fisiolgicos particulares para cada uma delas. As modalidades desportivas (jogos), para Verkhoshansky (2001; 2002) so realizadas em um regime variado e intermitente de trabalho de velocidade, cuja particularidade comum, a necessidade de manifestar de forma isolada esforos de carter explosivo, ou executar um trabalho breve e intenso, como as aceleraes, alternado com intervalos no prolongados de descanso. Manso, Valdivielso e Caballero (1996), conceituam a velocidade como uma capacidade hbrida condicionada por todas as outras. Dividem esta capacidade motora em velocidade cclica e acclica com trs fases para ambas as manifestaes: Acelerao, velocidade mxima e resistncia de velocidade . Os autores demonstram que a acelerao fundamental em atividades desportivas como a corrida de 60m, 100m, 200m, e nos jogos de cooperao e oposio (coletivos) quando associada capacidade de tomada de deciso. A acelerao influenciada de forma significativa pela capacidade de fora explosiva, demonstrada segundo os autores, nos exerccios de saltos. Nesta linha de raciocnio, sugerem inclusive, a adoo dos testes de saltos verticais e horizontais para a avaliao da capacidade de acelerao, e ainda, os testes de corrida curta. Moreira e Gomes (1997) observaram um crescimento da mdia de saltos e aceleraes durante os jogos (corridas c/ velocidade mxima - quase mxima) ao longo da temporada em equipe de basquetebol, e ainda, relacionaram este aumento, ao incremento da fora rpida e da capacidade reativa, avaliadas durante exerccios de controle em sesses de treinamento no mesmo perodo. A partir destas concepes, e de constataes relacionadas realidade do basquetebol brasileiro, principalmente no que tange ao processo de treinamento e seu contedo prprio, e ainda, da necessidade de se considerar a velocidade de deslocamento como o fator fundamental da preparao condicional especial, representando o resultado global do processo de treinamento e, por conseguinte, como o principal critrio objetivo de avaliao deste processo, fica clara a necessidade de se colher informaes a respeito da dinmica do indicador principal da preparao fsica especial do basquetebolista: A velocidade de deslocamento. Assim, foi alvo de anlise, no somente a alterao do ndice da velocidade de deslocamento, avaliado neste estudo atravs da corrida de 30m (C30), mas a influncia dos fatores que se correlacionam com a possibilidade de incremento desta manifestao ao longo de um macrociclo de preparao, e ainda, o sistema de treinamento em bloco, e as conseqentes alteraes da condio do desportista ao longo do processo de preparao nas diferentes etapas de treinamento. PROCEDIMENTO METODOLGICO: Este estudo foi desenvolvido com 07 atletas da equipe do Banco Bandeirantes/Barueri, semifinalista do campeonato paulista adulto da diviso principal (A1), 1997. O estudo desenvolveu-se desde o incio da etapa de preparao para o Campeonato Paulista (etapa bsica), estendendo-se at o final da etapa de competio. A durao do macrociclo de treinamento foi de 22 semanas. Na etapa bsica, objetivou-se o aumento do potencial motor do organismo, buscando, segundo o sistema de treinamento adotado (bloco), a preparao morfofuncional do organismo para um regime de velocidade especfico posterior. Esta preparao, foi realizada atravs das cargas concentradas de fora, e teve a durao de 08 semanas. O primeiro momento de coleta dos dados (T1), foi realizado durante a primeira semana da etapa bsica, e o segundo momento de coleta (T2), foi realizado ao final da etapa bsica, ou seja, ao final do bloco de cargas concentradas de fora. Durante a etapa de competio, predominaram os denominados "exerccios especiais", constitudos de exerccios de velocidade cclicos e acclicos, com e sem bola, estimulando o metabolismo especfico, e ainda, o mtodo de estmulos altamente especficos, ou seja, os jogos. Os mtodos de treinamento, tambm objetivaram a manuteno dos nveis de fora adquiridos durante a etapa bsica (mtodos de tonificao neuromuscular). Os treinamentos visavam a manuteno da fora, e objetivavam a realizao do objetivo principal da preparao: O alcance do mais alto nvel de velocidade e a obteno dos resultados desportivos planificados. A etapa de competio, compreendeu o primeiro e o segundo turno do Campeonato Paulista, sendo os testes de controle (T3), realizados ao final do segundo turno, antecedendo aos jogos semifinais da competio. O perfil dos atletas participantes do estudo apresentado na tabela 1. Tabela 1 - Valores mnimos e mximos de idade, altura e peso corporal, da equipe do Banco Bandeirantes/Barueri, semifinalista do Campeonato Paulista Adulto (A1) de 1997. MNIMO MXIMO MDIA IDADE (anos) 19 35 26,4 PESO (kg) 83 116 92,28 ALTURA (cm) 186 214 194 Foram utilizados os seguintes Testes de controle: Salto Horizontal Parado (SHP): Atleta em p, ps ligeiramente afastados e paralelos, ponta dos ps logo atrs da linha. O atleta realizava um movimento de balanceio dos braos - vontade - como movimento preparatrio, semiflexionando os joelhos. O salto era realizado lanando os braos para frente, estendendo o quadril, joelhos e tornozelos - por conseqncia do balanceio permitido, o atleta utilizava-se da energia elstica acumulada aps a rpida extenso mecnica dos msculos extensores seguida do movimento descrito acima - O objetivo era alcanar a mxima projeo horizontal. O atleta realizava 3 tentativas, sendo considerada como controle a melhor tentativa. Salto Triplo na mesma perna saindo parado (STP): Atleta posicionado em afastamento antero-posterior, joelhos levemente flexionados, ponta do p que se encontrava frente logo atrs da linha de sada. Como preparao para o salto, o atleta realizava uma transferncia de peso para a perna detrs, e em seguida, com o peso novamente sobre a perna da frente, iniciava o exerccio. O movimento dos braos era livre e auxiliava na execuo do exerccio. Aps o primeiro impulso, o atleta tocava o solo pela primeira vez, onde era considerado o primeiro salto, realizava-se ento a repulso com uma passagem brusca e rpida do amortecimento para a superao (transio fase excntrica -concntrica rpida). Aps a primeira repulso - sempre com a mesma perna - realizava-se o segundo salto, seguido de uma segunda repulso e, finalmente, tocava-se o solo pela terceira vez. O atleta era orientado no sentido de evitar as paralisaes entre um salto e o outro, buscando a mxima projeo horizontal. A distncia de salto foi medida a partir da ponta do p da frente (posio inicial) at o calcanhar mais prximo da linha de sada ao finalizar o terceiro salto. O atleta realizou 3 tentativas com cada perna, sendo considerada como controle a mdia aritmtica da melhor marca do salto triplo com a perna direita e esquerda. 30 metros (C30): Atleta posicionado em p atrs da linha de sada; Utilizou-se dos seguintes comandos: "Ateno, j". O avaliador permanecia na linha de chegada com o brao direito levantado e o cronmetro na mo. Simultaneamente ao comando "j" , abaixava-se o brao e "disparava-se" o cronmetro . As linhas de sada e de chegada eram demarcadas por cones. Foram realizados 3 tentativas com intervalos de 1' a 1' 30 ", aproximadamente, sendo considerada como controle a melhor tentativa Todos os testes foram realizados na quadra de basquetebol, piso de madeira, no perodo da tarde, utilizando-se de uma trena da marca Lufkin para a aferio das medidas, e do cronmetro manual profissional da marca Timex, para a aferio da velocidade de deslocamento em C30. RESULTADOS E DISCUSSO: Para a anlise estatstica descritiva dos dados referentes aos testes de controle, foram empregados o valor mximo (Q4) e mnimo (Q0), bem como o quartil 1 (Q1), 2 (Q2) e 3 (Q3), para todos os testes de controle - SHP(m), STP(m) e C30(m/s) nos diferentes momentos de coleta (T1, T2, T3) conforme apresentados na tabela 2. Tabela 2 - Mediana (Q2) e quartis dos testes de controle Salto horizontal saindo parado (SHP) em metros (m), Salto triplo na mesma perna saindo parado (STP) em metros (m) e corrida de 30m (C30) em metros por segundo (m/s) nos diferentes momentos do processo de preparao (T1, T2, T3). T1 N Q2 Q0 Q4 Q1 Q3 C30 (m/s) 7 6,80 5,51 6,93 6,25 6,90 SHP (m) 7 2,39 2,01 2,63 2,21 2,48 STP (m) 7 6,97 5,96 8,00 6,53 7,35 T2 C30 (m/s) 7 7,14 5,93 7,32 6,11 7,25 SHP (m) 7 2,44 2,21 2,61 2,23 2,48 STP (m) 7 7,00 5,75 8,23 6,25 7,20 T3 C30 (m/s) 7 7,89 6,25 7,89 6,98 7,89 SHP (m) 7 2,48 2,11 2,63 2,18 2,57 STP (m) 7 7,29 6,10 8,30 6,58 8,20 Tabela 3 - Correlao entre a velocidade mxima maximorum de deslocamento (C30) e a fora explosiva (SHP) e rpida (STP), nos diferentes momentos do processo de preparao (T1,T2,T3). T1 SHP STP C30 0.92(p <0,01)* 0.84 (p<0,05)* T2 SHP STP C30 0.85 (p <0,01)* 0.79 (p<0,05)* T3 SHP STP C30 0.90 (p <0,05)* 0.75 (p<0,053) * Estatisticamente significativo Observou-se um aumento de velocidade mxima maximorum de deslocamento (C30) entre os momentos T1 e T2, no significativa estatisticamente, porm, evidenciando que o bloco das cargas concentradas de fora, provocou alterao positiva nesta varivel (4,26%). Tal dinmica de alterao se mostra diferentemente das pesquisas apresentadas por Verkhoshansky (1990), nas quais, o autor destaca a possibilidade de alteraes negativas nesta microetapa, em virtude da grande concentrao das cargas especiais de volume crescente. Observa-se tambm, uma alterao positiva, estatisticamente significativa, entre o momento T1 e T3, evidenciando uma pontual manifestao do efeito posterior duradouro de treinamento (EPDT), Oliveira (1998). A fora explosiva de membros inferiores (SHP) evidenciou a mesma tendncia, ou seja, melhoria de T1, para T2 e T2 para T3, assim como a Fora rpida de membros inferiores (STP), porm com incrementos estatisticamente no significativos. Concluso: - Em T1, T2 e T3, observou-se alta correlao significativa entre C30 e SHP, por outro lado, observa-se uma correlao significativa entre C30 e STP, apenas entre o momento T1 e T2. - Os resultados apresentados, demonstram a eficcia do sistema de treinamento utilizado, bem como a influncia da fora explosiva e rpida sobre a velocidade de deslocamento, porm, o incremento significativo da velocidade de deslocamento associado diminuio do grau de significncia de correlao C30 e STP ao longo do macrociclo, sugere a influencia de outros fatores, e ainda, uma possvel deficincia na adoo de cargas de manuteno (tonificao neuromuscular) na etapa de competio. - O aumento significativo de C30, entre T1 e T3, evidencia o efeito posterior duradouro de treinamento (Oliveira, 1998) decorrente da concepo metodolgica adotada. - O incremento significativo de C30, demonstra a eficcia do processo de treinamento, cujo objetivo principal e fundamental, o aumento da velocidade de deslocamento do desportista, fator este, considerado por Verkhoshansky (2001 ; 2002) como ndice principal da avaliao do processo de treino. - As alteraes positivas, porm no estatisticamente significativas, de SHP e STP ao longo da preparao, sugerem uma deficincia no volume de cargas concentradas (ou nos meios utilizados) durante a etapa bsica (bloco de cargas concentradas de fora). - Sugerem-se novos estudos que verifiquem at que ponto incrementos mais significativos da fora rpida e explosiva durante a etapa bsica e de competio influenciam na velocidade de deslocamento. REFERNCIAS BIBLIOGRFICAS: MANSO, J.M.G.; VALDIVIELSO, M.N.; CABALLERO, J.A.R. Bases tericas del Entrenamianto Desportivo - Principios y Aplicaciones. Madrid, Ed. Gymnos, 1996. MOREIRA, A.; GOMES, A.C. Controle da evoluo do nvel de performance dos basquetebolistas de alto nvel. So Paulo, 1997, Congresso internacional do desporto e atividade fsica. OLIVEIRA, P.R. O Efeito Posterior Duradouro de treinamento (EPDT) das Cargas Concentradas de fora. (Tese de Doutorado). Unicamp, Campinas ,1998. KUZNETSOV, V.V. Preparacin de fuerzas en los deportistas de las categoras superiores. Habana, Ed. Orde, 1981. Weineck, J. Treinamento Ideal. 9.ed. - So Paulo, Ed.Manole, 1999. VERKHOSHANSKY, Y.V. Entrenamiento Deportivo - Planificacion y programacion. Barcelona, Ed. Martinez Roca, 1990. VERKHOSHANSKY, Y.V. Principles for a rational Organization of the training process aimed at speed Development. Revista Treinamento Desportivo, Vol. 4, No 1, p. 03 - 07, 1999. VERKHOSHANSKY, Y.V. Treinamento Desportivo - Teoria e metodologia. Porto Alegre, Ed. Artmed, 2001. L M }~  %%#%$%f,g,l-m---O7P7b8c8{8|8998<9<==dAoApAGGGGJ2KKK(hhCJOJQJ^JaJmH sH  h5CJOJQJ\^JaJhhCJOJQJ^JaJh5OJQJ\^J0M ~ %$%g,m--P7c8|899<=pAGGKKgd$a$gdgdK21h:p/ =!7"7#7$7% @@@ NormalCJ_HaJmHsHtH>A@> Fonte parg. padroTi@T  Tabela normal4 l4a ,k@, Sem listaB^`B  Normal (Web)dd[$\$CRM~ $g$m%%P/c0|01945p9??CCMy0My0My0My0My0My0My0My0My0My0My0My0My0My0My0My0My0My0My0My0My0My0M~ $g$m%%P/c0|01945p9??CC@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0GK&K'K(46B2CCCCCEp9u;{;==??e@g@AA/B1BB2CCp9CCCCWilliam Timoteo7Z,@CCX6rCCCP@UnknownGz Times New Roman5Symbol3& z Arial"1ȦȦ =9"z =9"z!774CC2H)?~ANLISE DA INFLUNCIA DA FORA RPIDA E EXPLOSIVA NA VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO NO BASQUETEBOL DURANTE UM MACROCICLO DE PREPARWilliam TimoteoWilliam TimoteoOh+'0 ,DP\p    ANLISE DA INFLUNCIA DA FORA RPIDA E EXPLOSIVA NA VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO NO BASQUETEBOL DURANTE UM MACROCICLO DE PREPARNLWilliam Timoteoillill Normal.dotoWilliam Timoteo1llMicrosoft Word 10.0@@"z@"z =9՜.+,0h hp|  GSz"CA ANLISE DA INFLUNCIA DA FORA RPIDA E EXPLOSIVA NA VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO NO BASQUETEBOL DURANTE UM MACROCICLO DE PREPAR Ttulo  !"#$%&'()+,-./013456789;<=>?@ACDEFGHILRoot Entry F`-6zNData *1Table2WordDocument4RSummaryInformation(:DocumentSummaryInformation8BCompObjn  FDocumento do Microsoft Word MSWordDocWord.Document.89q